skipToMain
ASSINAR
LOJA ONLINE
SIGA-NOS
Guimarães
25 fevereiro 2024
tempo
18˚C
Nuvens dispersas
Min: 17
Max: 19
20,376 km/h

Jota Silva: “Ferro muito a língua e aprendi a fazê-lo na distrital”

Redação
Desporto \ sexta-feira, dezembro 01, 2023
© Direitos reservados
Referência do plantel vitoriano, Jota Silva acabou a formação regressou ao clube onde nasceu para o futebol, o Sousense. A partir do futebol, escalou os vários patamares do futebol luso.

Uma das impressões acerca do futebol apresentado pelo Vitória SC desde a época 2022/23 é a de que Jota Silva parece uma inesgotável fonte de energia, quase sempre pronto para mais um pique em velocidade, mesmo quando o cronómetro já ultrapassa os 90 minutos regulamentares. “As pessoas podem pensar que não, mas eu noto o cansaço. Pode é não parecer. Tudo depende da mente”, começou por explicar o jogador de 24 anos no podcast Dezanove22, transmitido pelo clube vitoriano.

Autor de quatro golos e de quatro assistências na presente temporada, Jota Silva diz que a conclusão do período de formação no Paços de Ferreira e a falta de opções profissionais no final da época 2017/18 o fizeram regressar ao clube Natal, o Sousense, em Gondomar, para iniciar a carreira profissional nos campeonatos da Associação de Futebol do Porto, algo que “acabou por moldar” a sua personalidade em campo.

“Ferro muito a língua e aprendi a fazê-lo na distrital. Ali não se vê bom futebol, ali conta muito a vontade dos jogadores. Ganha quem é mais forte a discutir a bola. (…) E a verdade é que muitos jogos do primeiro escalão não são decididos pela qualidade. Dependem muito daquilo que tu corres, dos duelos em que te envolves, de meter o pé”, acrescentou.

Ciente de que “desistir do futebol” era uma possibilidade entre as temporadas 2017/18 e 2018/19, Jota Silva pediu para voltar ao clube da Foz do Sousa, onde cumpriu o grosso da formação, jogou quase sempre e mudou-se, no início da época 2019/20, para o Sporting de Espinho, do Campeonato de Portugal. A pandemia de covid-19 interrompeu uma época que estava a “ser incrível”, mas o Leixões abriu-lhe as portas da Segunda Liga e o Casa Pia deu-lhe, a partir da época 2020/21, a oportunidade de lutar por voos mais altos; os 14 golos com que contribuiu para a subida dos lisboetas ao escalão maior, na temporada 2021/22, colocou-o na rota do Vitória.

“Havia o Chaves, o Rio Ave, ninguém apostava na subida do Casa Pia. E o nosso objetivo também não era esse, mas as coisas começaram a correr bem e passámos a ambicionar algo mais. Depois disparámos e até foi em casa do Leixões, na última jornada, que carimbámos a subida de divisão. Foi então que surgiu a chamada do Vitória SC”, recorda.

A carreira de Jota Silva conta também um progressivo avanço no terreno: começou a lateral direito, mas fazia muitos golos e começou a jogar em terrenos mais adiantados. Em júnior, foi testado a avançado e sentiu-se bem. “Comecei a fazer golos atrás de golos e percebi que aquele era o meu lugar. Apesar disso, ainda descasquei algumas vezes como lateral na época passada, mas sou melhor como avançado… e o Vitória SC está muito bem servido de laterais”, realçou.

Ainda com a memória do choque que foi jogar pela primeira vez no Estádio D. Afonso Henriques, no triunfo sobre a Puskás Akadémia, para a Liga Conferência Europa – “joguei arrepiado durante os primeiros 15 minutos” -, Jota Silva diz trabalhar num “grupo excelente”, com um “ambiente sempre muito bom” entre quem joga e quem não joga. “Já era assim na época passada. Estamos todos virados para o mesmo. No final da época passada, não contavam os minutos que fizeram cada um. O que contou é que o Vitória SC se qualificou para a Europa. Foi o plantel”, reitera.

Jota Silva explicou ainda o motivo para o festejo dos golos, com a mão à frente da cara: “Surgiu em jeito de brincadeira quando estava em casa de um grande amigo, em Melres (Gondomar), que é a minha terra. Estávamos a assistir a um jogo do Tottenham pela televisão e aquele holandês, o Bergwijn, marcou, festejando o golo dessa forma, com a mão na cara. Eu estava no Sp. Espinho e resolveu dizer isto: ‘se marcar um golo esta semana, vou festejar como o Bergwijn. Assim foi. A partir daí, passei a festejar sempre dessa forma”, disse.

Podcast Jornal de Guimarães
Episódio mais recente: O Que Faltava #67